Ação do MPE vai garantir água em todos os bairros de Batalha

27 Novembro, 2015 15:280 comentários 6 views

10525623_664733653641627_530206127006627598_nNa cidade de Batalha, famílias sofrem há mais de duas décadas com a omissão da AGESPISA – Águas e Esgotos do Piauí, que detém a concessão de exploração de água no município, causando graves prejuízos aos consumidores e colocando em risco a saúde da população. Mas graça a uma ação judicial movida pelo Ministério Público Estadual (MPE), a população irá em breve contar com dois novos reservatórios de água com capacidade para armazenar 500 mil litros. De acordo com o promotor de justiça, Antônio Charles Ribeiro de Almeida, o primeiro reservatório entra em funcionamento até o mês de janeiro de 2016.

“No último dia 23(segunda-feira) estive reunido com o presidente da Agespisa e a diretoria financeira. Ficou acertado que o primeiro reservatório, que está sendo construído no Morro da Saudade com capacidade para 350 mil litros, vai tá pronto e funcionando até o dia 31 de janeiro de 2016”, diz Antonio Charles.

Também estão avançadas as obras do reservatório da avenida Inácio Farias, próximo ao Conjunto Vila Kolping, que juntos vão triplicar a capacidade de armazenamento de água em Batalha.

“Quando concluírem o primeiro reservatório, me reunirei novamente com a direção da Agespisa para acertarmos a data de conclusão do segundo reservatório, o da Vila Kolping que terá capacidade para 150 mil litros”, afirma Charles.10154984_664733560308303_9173127372104562455_n

A nova estrutura vai solucionar os problemas de falta de água nos diversos bairros da cidade.

Os reservatórios serão interligados por uma tubulação com 1.400 metros de extensão, em PVC, o que reduz a ocorrência de vazamentos e as perdas de água. Ou seja, quando o poço de um dos dois reservatórios falhar, o outro será imediatamente abastecido através da adutora.

Será também ampliada a rede de água, para atender localidades onde não há água encanada. Tudo isso, graças ao empenho deste bravo promotor de justiça que ingressou com ação contra a prestadora do serviço e resultou em um acordo judicial, firmado em 2014, no qual a AGESPISA se comprometeu cumprir uma licitação de 2012 para construção dos reservatórios.

O mais engraçado nisso tudo e ver figuras vinculadas a grupos políticos, fazendo reuniões em bairro (esquecidos pela AGESPISA) dizendo que vão resolver o problema de abastecimento de água destas famílias. Pra quê cara-pálida? Porque não fez isso antes?

Em breve voltaremos a tratar sobre energia elétrica, outro problema grave e que foi resolvido graças a Promotoria de Justiça. A população já começa a sentir as melhorias, aponta o promotor Antonio Charles.

Deixe um comentário nesta matéria