Guerra pelo poder na Câmara Municipal de Batalha (PI)

1 Janeiro, 2017 20:330 comentários
Presidente Clayson Anaral

Vereador Clayson Amaral

Clayson Amaral, do PSB, foi eleito na manhã deste domingo (01) Presidente da Câmara Municipal de Batalha para o biênio 2017/2018. Com uma votação apertada, o vereador venceu o novato em legislaturas Nerioston Moraes (PSC). Clayson obteve 6 dos 11 votos, um a mais do que Nerioston.

Também foram eleitos para compor a Mesa Diretora do Poder Legislativo o vereador Neném Celedone (PMDB), que ocupará o cargo de vice-presidente, além de Augusto César (PP) e Gordinho (PCdoB), escolhidos para os cargos de primeiro e segundo secretários respectivamente.

Pode-se afirmar que para assumir a presidência da câmara, o candidato passa por uma mini eleição aos moldes de uma eleição geral, com todos os ingredientes, como traições, jantares e reuniões nas madrugadas onde se ouve todos os tipos de propostas, até mesmo a solução para a paz mundial e a cura do câncer. Mas o maior tempero desses ingredientes é o famigerado “fogo amigo”.

Quem não lembra da última eleição para presidente da câmara, onde a vereadora Shammara Maria (PR) dormiu na certeza de ser a grande vitoriosa e acordou derrotada, no famoso escândalo da madrugada, onde o PT judiou com vereadora, fazendo-a sair em prantos de dentro da câmara, abaixo de vaias e de palavras de baixo calão por parte de algumas pessoas?

E nessa nova eleição, nem jantares, discursos efusivos e declarações de carinho ao grupo lagista foram suficientes para que a ex-vereadora conseguisse a almejada cadeira da presidência, desta vez para seu marido.

Depois desta atitude da ex-vereadora e de seu esposo e vereador Neriosto em aceitar de imediato o convite feito por parte de um grupo da corrente Lagista para ser o cabeça da chapa, há quem diga que o casal enterrou e sepultou de vez o estandarte de uma terceira via pura e fiel aos seus princípios.

Se mantivessem sua neutralidade em relação aos dois grupos, não aceitando o convite e votando de acordo com suas convicções em prol do município, a ex-vereadora possivelmente se firmaria como uma forte candidata daqui a quatro anos. Por outro lado, a mesma deva ter imaginado a certeza da vitória, e com isso, a possibilidade de ser futuramente a candidata a vice-prefeita na chapa Lagista.

Membros da chapa derrotada posam pra foto, cujo o registro foi feito por Lucas Fortes.

Membros da chapa derrotada posam pra foto, estando ausente apenas o vereador Eduardo Cruz, cujo registro fotográfico foi feito por Lucas Fortes.

Já Clayson Amaral, experiente e tarimbado político, que conhece as entranhas dessa guerra pelo poder, por ter sido preterido por uma parte do seu grupo em ser o candidato, viabilizou por contra própria sua candidatura, sabendo ele que agregava muito mais, tanto situação como oposição, do que qualquer outro candidato e se tornou pela terceira vez consecutiva presidente da câmara.

Algumas pessoas do grupo Guerreirista (nome dado ao atual prefeito João Messias de guerreiro), comemoravam a vitória de Clayson Amaral como se fossem uma conquista do Guerreiro, porém cabe ressaltar que não se deve confundir eleição interna de Câmara com apoio politico a grupo A ou B. O atual presidente da câmara já afirmou varias vezes que não saiu do grupo Lagista.

Agora, a pergunta que não quer calar: De quem foi o voto que sacramentou a vitória de Clayson Amaral? Segundo uma fonte que pediu sigilo, disse que partiu de um “menudo” na arte de parlamentar.

Deixe um comentário nesta matéria