Em Batalha, homem cobra promessa, e vereador manda ele rezar pra São Gonçalo

12 Junho, 2017 14:208 comments

Não é de hoje que o prefeito de Batalha e seus vereadores são cobrados os empregos que foram prometidos durante a campanha eleitoral de 2016.

Como já virou praxe, os pretensos eleitos prometem muitos empregos, isso acaba gerando uma grande expectativa e ansiedade junto à população, que alimenta o sonho de conseguir entrar no serviço público pela janela e assim não ter que deixar sua terra natal.

Várias pessoas estão se sentindo ludibriadas e humilhadas após as eleições municipais, onde durante a campanha trabalharam, levantaram bandeira da coligação “Juntos Pela Reconstrução de Batalha”, e, hoje, quase seis meses de gestão, ainda não tiveram seus empregos prometidos, e agora elas mostram insatisfação até nas redes sociais.

Foi o que aconteceu na manhã desta segunda-feira (12), um homem, conhecido como Alan da Aldenora, que carregou nas costas o prefeito durante a convenção eleitoral do PP, gravou um vídeo onde diz que procurou um vereador para cobrar vaga de emprego prometida durante a campanha eleitoral de 2016. Em resposta, o vereador mandou que homem rezasse para São Gonçalo, padroeiro da cidade de Batalha. Confira o vídeo!

Ao final da gravação, ao ser questionado o nome do edil por um profissional da imprensa que ali estava, Alan preferiu não declinar o nome do parlamentar.

8 Comments

  • Tome bem feito, vai carregar macho nas costas a custa de promessa, acho é pouco, bem feito kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…..

  • Muito bom! Que se acabe de vez esse modelo eleitoreiro onde essas pessoas vendem o voto a custa de uma promessa. O poder público não deve usar do poder que tem para transformar a maquina administrativa em cabide de emprego. Agora, o vereador tem sim que contribuir para mudanças sociais ao elaborar projetos que repercutam de maneira positiva na sociedade. Esse é um dos papeis do vereador e ele deve ser cobrado por isso. Se continuar assim, o filho desse senhor ai , o neto , o bisneto estarão também com esse tipo de cobrança futuramente e o modelo vai se perpetuando.

  • orismar rodrigues barbosa

    melhor ele vender o voto dele no valor de emprego… do que viver roubando bebendo como muitos fazem aqui em batalha… ele quer ter um emprego e trabalhar pra poder se sustentar…o vereador pediu o voto dele e ele pediu um emprego o que ha de mal.. em pedir pra trabalhar….homem de caracter se senti bem e trabalhando……

    • Não há nada de mal em se trabalhar meu caro. O que há de mal é a situação que se repete, geração após geração. A prefeitura em ao dependura um mundo de gente na folha de pagamento, enquanto os vereadores e o prefeito se vêem desobrigados de promover qualquer mudança no município, aliás, ele comprou o voto. Triste é saber que pessoas que pensam como você tem aos montes e tornam a mudança desse modelo parasitário cada vez mais distante.

  • rodrigues barbosa

    verdade…

  • Que é isso!Gente poderia isso nas eleições ser proibido esse tipo de falsas promessas é propaganda enganosa a pessoa troca seu voto por emprego mas tem que ter provas como esse determinado vereador prometeu mesmo ai deveria ser punido poderia prometer o seguente se ganhasse fiscalizar como anda a saúde,Educação saneamento básico e buscar projeto em prol da sociedade Batalhense visitar as comunidades para saber como anda as crianças que é o futuro de nossa cidade e os idosos que contribuíram para o progresso do nosso município da nossa cidade.Eu ficaria muito contente com essas promessas. Se cada vereador ganho fosse empregar cada leitor que estivesse desempregado a prefeitura iria a falência tem que mudar essa teoria do voto em troca de emprego para algumas pessoas por isso que Batalha e o Brasil esta assim.

  • Abestado é quem acredita em politico, esse povo nao tem um pingo de vergonha, mas esperem que daqui uns dias eles vao pedir seu voto de novo e você mais besta ainda vai votar de novo. Aguenta.KKKKKKKKKKKKKK

Deixe um comentário nesta matéria