Tragédia nordestina

1 Outubro, 2017 1:010 comentários 7 views

Há quem advogue a falsa ideia, e não são poucos, de que é importante para o Nordeste eleger um político da região para a presidência da República, que isso trará desenvolvimento, etc, etc. Pura babaquice.

O Nordeste elegeu 11 presidentes e nenhum deles fez nada pelo povo nordestino.

Vamos à lista começando pelo primeiro presidente da República, o alagoano Deodoro da Fonseca, e por seu sucessor, Floriano Peixoto, igualmente alagoano.Que me apontem o que as duas figuras acima citadas fizeram pelo desenvolvimento do Nordeste. Quem se habilita?

Mas, o estado de Alagoas nos deu ainda um outro presidente de triste memória, o caçador de marajás, senhor Fernando Collor de Mello, primeiro governante brasileiro a sofrer impeachment.

O cearense José Linhares, filho da cidade de Baturité, foi outro que nada fez pela região.

Do presidente Café Filho, do Rio Grande Norte, também não se tem notícia de que tenha feito alguma coisa digna de nota pelo Nordeste. A mesma coisa se pode dizer do paraibano Epitácio Pessoa.

Pai do Plano Real, baiano de nascimento, Itamar Franco não foi um presidente ruim. Fez muito pelo País. A ele devemos a estabilidade econômica de que desfrutamos até primeiro governo Lula. O Nordeste, porém, não foi bem tratado em sua gestão.

Os maranhenses Augusto Fragoso e José Sarney, nascidos no paupérrimo Maranhão, não cuidaram bem nem do estado onde nasceram, imagine do resto do Nordeste.

Luís Inácio Lula da Silva, nascido no sertão de Pernambuco, de onde saiu tangido da seca em cima de um Pau-de-arara, rumo a São Paulo, fez alguma coisa pelo Nordeste, mas não promoveu o seu desenvolvimento.

O único feito notável do ex-presidente na região foi a transposição do Rio São Francisco, projeto questionado por muitos, ainda em execução no governo Temer.

Lula manteve os nordestinos pobres no garrote, através do Bolsa Família, transformado numa imensa rede de compra de votos. Nada mais.

Nosso Piauí, embora tendo um governador petista, não ganhou sequer uma obra estruturante durante o Governo Lula.

O Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, primeiro governante militar, foi a exceção entre os presidentes de origem nordestina, a fazer alguma coisa importante no Nordeste. Pelo menos em relação ao Piauí.

Foi no seu governo que o Estado ganhou a última grande obra estruturante: a Barragem de Boa Esperança, isso há mais de 60 anos.

Diante do exposto, ainda dá para acreditar na conversa de que o Nordeste se desenvolverá com a eleição de um nordestino a presidente da República?

Texto: Jornalista José Olímpio

Deixe um comentário nesta matéria