Duas possibilidades para o cassino do Piauí

2 Agosto, 2018 9:230 comentários

As hipóteses de os jogos de azar não serem liberados no Brasil em breve é bem reduzida. O debate vem se prolongando nos últimos três anos e, no momento, parece que os defensores da proibição venceram, pois a evolução da discussão no projeto parou no Senado. Mas todos os sinais são favoráveis ao fim da proibição.

O mais forte de todos é a evolução da opinião do público sobre esse tema. Ao contrário do que aconteceria no passado, atualmente as opiniões estão divididas 50-50 entre proibir e liberar, o que indica uma mudança gradual de posição sobre isso.

O fato de todos os cidadãos poderem acessar o casino.netbet.com e outras plataformas de cassino online, bastando um simples smartphone, também veio mostrar como a proibição assinada pelo presidente Dutra em 1946 está completamente obsoleta.

Além disso, basta ver as atitudes dos políticos conservadores. O candidato Jair Bolsonaro já falou, em típica atitude de político, que pessoalmente é contra mas que está disponível para aprovar. Já Marcelo Crivella, o prefeito carioca da Universal, que deveria estar na linha da frente do combate ao “pecado da jogatina” (de acordo com a perspectiva conservadora), vem recebendo em visita Shelson Adelson, o maior magnate dos cassinos de Las Vegas, para debater investimento futuro no Rio.

Ronaldo Dimas e a Las Vegas do Cerrado

Do Tocantins veio uma ideia ousada mas que não parece tão impossível assim. Ronaldo Dimas (PR) propõe a criação de uma “Zona de Livre Comércio e Serviços”, onde a atividades dos cassinos seria totalmente liberada. A ideia passa por replicar o modelo de Las Vegas no Cerrado, criando uma região especialmente vocacionada para a jogatina e tirando partido disso. O projeto envolveria os estados do Tocantins e Piauí, e também a Bahia e o Maranhão.

Muitos dizem que Dimas é um visionário sem noção e que está exagerando, mas são também os mesmos que consideram o jogo como um vício social a evitar e estão contra a liberação. Na prática, em termos econômicos, seria tão impossível assim?

A liberação geral dos cassinos no Brasil

A questão é que se a liberação avançar, a Zona de Livre Comércio perde muito de sua força. O projeto de nosso senador Ciro Nogueira (PP) prevê a abertura de grandes cassinos resort, tal como existem na visão de Crivella e de seu “parsa” de Las Vegas. Seriam três em S. Paulo, dois no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia, e um em cada um dos outros estados; isso, se tivesse empresários disponíveis para pegar todas as licenças disponíveis. De qualquer forma, sendo o Brasil o mercado gigante que é, é muito provável que isso acontecesse mesmo.

Como ficaria então a Zona? Concorrendo com o Hotel Jequitimar de Silvio Santos em S. Paulo, o Costão do Santinho em Florianópolis, o cassino de Adelson no Rio? Mesmo que aqui pudesse ter um número de cassinos ilimitado, a atratividade natural dos grandes centros urbanos do Brasil tiraria força ao projeto.

Vamos esperar para ver.

Deixe um comentário nesta matéria

You must be logged in to post a comment.